23 de nov de 2006

INVENÇÃO DE ORFEU

Canto I, 26

Qualquer que seja a chuva desses campos

Devemos esperar pelos estios;

E ao chegar os serões e os fiéis enganos

Amar os sonhos que restarem frios.

Porém se não surgir o que sonhamos

E os ninhos imortais forem vazios,

Há de haver pelo menos por ali

Os pássaros que nós idealizamos.

Feliz de quem com cânticos se esconde

E julga tê-los em seus próprios bicos,

E ao bico alheio em cânticos responde.

E vendo em torno as mais terríveis cenas,

Possa mirar-se as asas depenadas

E contentar-se com as secretas penas.

Jorge de Lima

Enviado por Liana

Nenhum comentário: